VEJA OS ERROS DE PORTUGUÊS MAIS GROTESCOS QUE MUITOS ALUNOS AINDA COMETEM

Não cometa esses erros

VEJA OS ERROS DE PORTUGUÊS MAIS GROTESCOS QUE MUITOS ALUNOS AINDA COMETEM

Muitos alunos ainda cometem erros imperdoáveis em provas e redações. Por isso, resolvemos separar aqueles que consideramos como os mais comuns e mais graves. Veja até o final e aprenda - de uma vez por todas - algumas dicas para aplicá-las na hora da prova.

 

Uso dos “porquês”

No uso dos porquês, os erros são bastante comuns, sobretudo, porque são 4 opções com usos diferentes. Abaixo, entenda melhor sobre cada um deles.

 
● Por que (separado sem acento) - usado para perguntas

Quando escrito desta forma, deve ser usado:

- Em início de frases interrogativas diretas como, por exemplo: Por que você não estuda hoje?

- Em frases com ponto final e que equivalem a “por qual razão”, “por qual motivo”, “pelo qual”, “pelos quais”, “pela qual”, “pelas quais”.

 

Para saber se a forma que você está usando é a correta, substitua a palavra por qualquer uma dessas, acima mencionadas. Não havendo alteração de sentido, está certa.

 

● Por quê (separado com acento) - usado para perguntas

Escrito dessa forma, tem o mesmo sentido de “por que” (separado sem acento).

No entanto, ele deve estar:

1) antes de pausas - na escrita ou na fala - e;

2) sempre ao final de frases.

Assim, é necessário que seja incluído antes de: um ponto final, pausa ou ponto de interrogação.

Em suma:

“Por quê?” - possui o mesmo sentido de “por qual motivo ou razão”.

Exemplo:

Foi mal na prova e não sabe por quê.

 

Enfatizamos que, em perguntas indiretas, não deve ser seguido do ponto de interrogação.


● Porque (junto sem acento) - usado para respostas

Esta forma é uma conjunção que indica: explicação, justificativa, motivo ou causa.

Uma dica para saber se o uso dele está correto é substituí-lo por “pois”. Se couber, a aplicação tem grandes chances de estar correta.

Não fui porque estava cansada. (= Não fui, pois estava cansada.)

 
● Porquê (junto com acento) - usado sempre depois do artigo “o”

Este é sinônimo de “motivo”. Isto quer dizer que você troca “porquê” por “motivo” e o sentido da frase ainda será o mesmo.

Exemplo:

Qual é o porquê de tanta discussão?

 

Mas/mais

 

Mas

A forma mais comum de usarmos o “mas” é quando expomos uma ideia contrária ao que foi escrito antes. Assim, “mas” é uma conjunção adversativa.

Exemplo:

Tento gostar de matemática, mas não consigo.

 

Para testar se está usando o “mas” corretamente, substitua-o por:

“contudo”, “porém”, “no entanto”, “todavia”, “ainda sim”.

 

Quando funcionar como uma conjunção, “mas” ligará duas orações.

 

Destacamos que “mas” também pode funcionar como um substantivo e ser associado a defeitos. Do mesmo modo, funciona também como advérbio para enfatizar uma informação.

Exemplo:

Ele é tão estudioso, mas tão estudioso, que passou de primeira no vestibular.

 
Mais

Esta palavra tem como antônimo “menos”. Assim, indica adição, soma ou aumento de quantidade.

Trata-se de um advérbio de intensidade. No entanto, pode ser empregado também como: substantivo, pronome indefinido, conjunção ou preposição, dependendo da função que você pretenda que ele exerça na frase.

A dica para saber se “mais” cabe na frase é trocá-la por “menos”. Não havendo mudança do sentido, você poderá usá-lo.

 

Estar/está/esta

 

Estar

É um verbo no infinitivo, pois termina em “r”. Por isso, lembre-se de forçar a letra “r” no final. Se parecer correto, você está usando a forma adequada do verbo.

Exemplos:

Ele vai estar na escola.

É necessário estar em casa, quando a encomenda chegar.

 
Está

A conjugação do verbo “estar” na terceira pessoa do singular. Não se usa “r” na conjugação.

Exemplos:

Ele está em casa.

Você está enganado.

 

Esta

Trata-se do pronome demonstrativo “este”, em sua forma feminina.

Exemplos:

Esta caneta é minha.

Esta mulher é linda.

Para ter certeza do uso correto desse pronome, substitua por “este”. Se for possível usar - obviamente, substituindo o gênero -, estará correto.

 
Haver e a ver

A confusão acontece porque as palavras apresentam formas semelhantes. No entanto, possuem sentidos diferentes. Por isso, são chamadas de parônimas. Enquanto “haver” significa possuir, ter, conseguir, existir, julgar ou estar na posse de, “a ver” serve para indicar uma relação entre dois objetos ou pessoas.

Exemplos:

Não tem nada a ver com você

Pode haver algo a pensar sobre isso.

Esta música tem tudo a ver com a nossa história.

Deve haver algo a fazer.

 

Meio/meia

 

Meio

Tem o mesmo sentido de “mais ou menos” ou “um pouco”. Então, se tiver dúvidas a respeito do uso, substitua a palavra que está usando. Não ocorrendo alteração do sentido, estará correto.

Exemplos:

Eu estou meio cansada.

Quando cheguei, estava meio inquieto.

 
Meia

Substantivo que significa uma peça do vestuário, a qual é utilizada para calçar junto com os sapatos.

Também trata de algo fracionário ou que tenha a ver com quantidade e números.

Exemplos:

Quero meia porção de fritas.

Este ano, vou correr meia maratona.

Cheguei meio-dia e meia.

 

Então!

Você está afiado(a) para a próxima prova? Não? Jura?

Não tem problema! O socorro chegou. Nós temos cursos voltados para desmistificar “os bichos de sete cabeças” do Enem e do vestibular (matemática, português e redação). Chega de desespero! Venha estudar com a gente usando métodos simples, fáceis e, sobretudo, eficientes. 

  • RECOMENDE-NOS AOS SEUS AMIGOS
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no WhatsApp

Olá! Deixe seu comentário.VEJA OS ERROS DE PORTUGUÊS MAIS GROTESCOS QUE MUITOS ALUNOS AINDA COMETEM

Já temos 1 comentário(s). DEIXE O SEU :)
Josivan Dias

Josivan Dias

Aprendi muito, e tirei algumas dúvidas

★★★★☆DIA 02.09.19 12h43RESPONDER
N/A
Enviando Comentário Fechar :/
Enviando Comentário Fechar :/

Cadastre-se e receba nosso conteúdo exclusivo em seu e-mail:

A lista VIP da Pensar EaD é repleta de vídeoaulas, tutoriais, hangouts e muito mais.

Clique aqui para se cadastrar